Palestra com presidente da FMOI na 73ª Soea destaca busca pela globalização da Engenharia

Spitalnik chamada capaNa manhã de ontem (31), profissionais e estudantes da 73ª Semana Oficial da Engenharia e da Agronomia (Soea) tiveram o privilégio de acompanhar e trocar experiências com o engenheiro mecânico e presidente da Federação Mundial dos Engenheiros (FMOI), Jorge Spitalnik. Com o tema “Processos de Globalização do Exercício Profissional do Engenheiro”, o especialista uruguaio compartilhou sua experiência nas ações desenvolvidas pela entidade, que carrega como objetivo a disseminação do conceito da Engenharia no mundo.

É fato que a profissão tem importante missão social no desenvolvimento dos países. Esta afirmativa foi potencializada por Spitalnik, quando destacou que cada especialista da área tem a habilidade de exercer seu trabalho dentro de qualquer sociedade.

“Para que isso ocorra sem interferências, é necessário buscar uniformidade na formação educativa do engenheiro. Isso vai permitir que a prática profissional seja compatível com os padrões de qualidade existentes em outros países. Nós acreditamos numa profissão de engenheiros qualificados que atuem de forma ética em qualquer ambiente”, disse.

A FMOI já se movimenta no cenário mundial em busca de multiplicar o conceito das profissões da Engenharia pelo mundo, começando com a intensa interação junto das entidades de engenharias nacionais e internacionais. Esse tipo de contato já acontece entre a FMOI e o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea), a União Pan-americana de Associações de Engenheiros (Upadi) e a Federação Brasileira de Associações de Engenheiros (Febrae).

“Essas são algumas instituições com as quais a federação mundial vem interagindo. Junto delas, viemos promovendo parcerias, como por exemplo os cursos de qualificação que estabeleçam padrões de educação. Queremos unificar a forma de exercer a profissão”, falou Jorge Spitalnik.

Também foram citados acordos, com o mesmo propósito de globalização da Engenharia, em Washington (EUA), Sydney (Austrália) e Dublin (Irlanda).

Confea e a OEP: um acordo modelo

O palestrante chegou a citar o Confea como grande colaborador do processo de globalização. Ele destacou o acordo entre a instituição brasileira e a Ordem dos Engenheiros de Portugal (OEP), maior órgão representativo do país. No fato descrito, o presidente da FMOI falou que em abril de 2016, foram aprovadas regras para emissão de registros de engenheiros entre os países, com o propósito de facilitar a mobilidade profissional. “Agora o registrado no Sistema Confea/Crea e Mútua poderá ser admitido em Portugal como engenheiro. Esse programa que estamos executando está sendo considerado um modelo para o mundo” garantiu.

Vinicius Firmino
Equipe de Comunicação do 73ª Confea
Compartilhar