Acessibilidade: caminho transversal que converge na Engenharia

Foz do Iguaçu, 31 de agosto de 2016

acessibilidade miliãoO Zika vírus e o papel da Engenharia na acessibilidade foram destaques do Fórum de Acessibilidade. Palestrante no fórum, a neurologista Maria Quilião apresentou dados sobre o vírus transmitido pelo Aedes aegypti, que tem assustado o país e o mundo nos últimos anos. “Entre as complicações que o Zika vírus pode causar, a microcefalia é uma das mais preocupantes. Futuramente teremos muitas crianças com sequelas dessa doença, como distúrbios de aprendizagem, autismo e paralisia cerebral, e que sem dúvidas irão precisar viver em um país acessível”. Segundo Quilião, há 91.387 casos prováveis da doença em todos os estados brasileiros.

acessibilidade subertDe acordo com o representante da Organização Ibero-americana da Seguridade Social no Brasil, Baldur Schubert, os profissionais do Sistema Confea/Crea e Mútua têm uma contribuição “transcendental” no aspecto da acessibilidade, “uma vez que os engenheiros criam, produzem, fiscalizam e planejam. Os engenheiros são os profissionais mais direcionados a soluções”. Segundo ele, o Brasil tem 45,6 milhões de pessoas com deficiência, sendo que a visual é a predominante, atingindo 18,8% da população. “A falta de acessibilidade é a discriminação mais comum e, por isso, precisamos ter os olhos voltados para todos. Temos ambientes hostis e precisamos trabalhar constantemente para reverter essa situação”. Baldur Schubert destacou, ainda, que o sistema é parceiro na implantação de um Centro Ibero-americano de Autonomia Pessoal e Ajudas Técnicas – Ciapat no Brasil, que será uma forma de ampliar projetos de acessibilidade no país.

O conselheiro federal eng. eletric. Jolindo Rennó Costa explicou que o Sistema Confea/Crea e Mútua tem constituído vários grupos de trabalho para abordar o assunto, incluindo a criação da Comissão Temática de Acessibilidade e Equipamentos, no âmbito do Confea. “Essa comissão começou a funcionar em 2015 e, nessa fase inicial, estamos fazendo um apanhado geral de tudo o que temos para começar a divulgar as ações da comissão”, disse. Para saber mais sobre o trabalho do grupo, acesse www.confea.org.br.

Além do conselheiro, outros integrantes da comissão participaram do fórum. O eng. mec. Sérgio Yassuo Yamawaki destacou a importância da Engenharia na acessibilidade e foi além: “Acessibilidade é também cultura, turismo, educação, saúde, transporte, enfim, todas as áreas, mas que se convergem na Engenharia. A deficiência não está nas pessoas, ela está nas cidades, que são deficientes em acessibilidade. Precisamos evoluir e fazer o nosso papel social”.

Finalizando o Fórum de Acessibilidade, o eng. civ. e seg. trab. Osvaldo Luiz Valinote – que foi diagnosticado com poliomielite aos 11 meses de idade e não tem o movimento das pernas – relatou que só passou a exigir seus direitos há quatro anos. “Eu fazia tudo o que os meus amigos faziam sem qualquer obstáculo provocado pela sequela da pólio. Mas, quando entrei no Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Conade), descobri, convivendo com outras pessoas, que minha deficiência me dá direitos”, contou Valinote, que também integra a Comissão Temática de Acessibilidade e Equipamentos do Confea.

Laila Moraes
Equipe de Comunicação da 73ª Soea

Compartilhar